Fundação Convento da Orada
Pormenor do Convento da Orada

Presidência da Fundação

De 1988 a 2002, a Fundação foi presidida pelo seu instituidor Prof. Doutor Arq. João Rosado Correia. Após o seu falecimento no ano de 2002, sucede-lhe a Professora Arq.ª Delmira Calado, que preside à Fundação até 2004.

Conforme Estatutos, desde então a Fundação Convento da Orada tem sido presidida em mandatos bienais, por membros eleitos do seu Conselho de Administração:

No mandato 2004-2006, assumiu a Presidência, a Mestre Arq.ª Delmira Correia.

No mandato 2006-2008, assumiu a Presidência, o Prof. Doutor Arq. João Alberto Correia.

No mandato 2008-2010, assumiu a Presidência, a Prof.ª Doutora Arq.ª Mariana Correia.

No mandato 2010-2012, assumiu a Presidência, o Mestre Arq. Rui Correia, cujo mandato se prolongou até 2013. Os mandatos dos Presidentes passam de bienais a trienais, no âmbito da publicação da Lei-quadro das Fundações - D.L. nº24/2012, 1ª serie, de 9 de Julho 2012.

No mandato 2013-2016, assume a Presidência, o Dr. Pedro Correia.


O FUNDADOR

O Fundador da Fundação Convento da Orada, João Rosado Correia, nasceu em 1939, na aldeia do Ervedal, em Avis, Alentejo e faleceu em Lisboa, em 2002. Realizou a sua instrução primária no Ervedal e na aldeia de Pias e o ensino secundário no Liceu de Évora. Concluiu o curso de Arquitetura na Escola de Belas Artes do Porto (ESBAP), com a classificação de 17 valores, ganhando o Prémio de Arquitectura 1971, da Fundação Eng. António de Almeida, para o aluno finalista melhor classificado. Em 1990, defende o Doutoramento na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, na área da Planificação Urbanística - Reabilitação, com a tese “Monsaraz e o seu Termo - Plano de Salvaguarda/Uma Estratégia de Desenvolvimento”, tendo sido classificado com Distinção e cum laude.

Como arquiteto, iniciou a sua carreira profissional na DGEMN - Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. Realizou e coordenou inúmeros projetos de Arquitetura e Urbanismo. Tem um número significativo de publicações técnicas e científicas e muita atividade no domínio de várias associações técnicas, científicas e de solidariedade social.

João Rosado Correia foi vereador e Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto, nos anos de 1976 a 1989, e membro da Comissão Nacional do Partido Socialista de 1982 a 1989. Foi deputado à Assembleia da República, eleito pelo Partido Socialista, pelo círculo do Porto, na III Legislatura, de 31 de Junho de 1983 a 3 de Novembro de 1985, na IV Legislatura, de 4 de Novembro de 1985 a 12 de Agosto de 1987, e na V Legislatura, de 13 de Agosto de 1987 a 3 de Novembro de 1991. Presidiu à Comissão Parlamentar do Equipamento Social, tendo sido um participante ativo na concepção da Lei de Bases do Ambiente, e nas leis relativas à Habitação Social e ao Património, aprovadas pela Assembleia da República de 1983 a 1991.

Exerceu as funções de Ministro do Equipamento Social - Obras Públicas, Habitação, Transportes e Comunicações - de 1982 a 1985, durante o Governo do Bloco Central, presidido pelo Dr. Mário Soares. Recebeu duas condecorações internacionais em 1984: a Ordem do Rei Leopoldo, pelo Governo Belga, e a Grã-Cruz do Mérito Civil, pelo Governo Espanhol. De 1985 a 1987 é condecorado com a Medalha de Mérito, em ouro, e torna-se Cidadão Honorário dos seguintes concelhos: Celorico do Basto, Baião, Felgueiras, Paredes de Coura, Reguengos de Monsaraz, Vila Nova de Cerveira, Amarante, e Fafe. Em 1999, é condecorado com o Grau de Comendador da Ordem de Mérito, por Sua Excelência o Sr. Presidente da República Portuguesa Dr. Jorge Sampaio. João Rosado Correia é igualmente homenageado a nível concelhio, ao concederem o seu nome a uma avenida na cidade de Pombal, a uma rua na vila de Monforte, e a um pavilhão desportivo, na cidade de Reguengos de Monsaraz.

Rosado Correia foi conselheiro do Conselho da Europa, do Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico (IPPAR), da Secretaria do Estado da Cultura e do Ministério da Defesa Nacional. Em 1988, institui a Fundação do Convento da Orada (FCO), Fundação para a Salvaguarda e a Reabilitação do Património Arquitectónico. Compra o Convento da Orada, em elevado estado de degradação, cuja construção remonta ao séc. XVII, mas cujas origens são atribuídas a D. Nuno Álvares Pereira (1360–1431), que pernoita no local. A Fundação Convento da Orada é criada para a salvaguarda do património e difusão do conhecimento, contribuindo para atividades no âmbito da cultura, ensino e formação.

Como Professor Doutorado em Arquitetura, Rosado Correia leciona na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa, nos cursos de licenciatura e de pós-graduação. Durante alguns anos leciona igualmente nas Universidades Lusíada e Lusófona. Até 2001, coordena o curso de Mestrado em Reabilitação da Arquitetura e Núcleos Urbanos, na Faculdade de Arquitetura de Lisboa. De 1994 a 2002, dirige a Escola Superior Gallaecia, em Vila Nova de Cerveira, com licenciaturas em Arquitetura e Urbanismo, Ecologia, Paisagismo e Design. Foi ainda responsável pelo Master em Arquitectura Ecológica e Património, realizado em 1995, uma parceria entre a FCO e o San Francisco Institut of Architecture, EUA.

LEGADO

Convento da Orada, antes e depois da recuperação

João Rosado Correia durante a sua vida procurou, com concepção humanista, estudar e contribuir para a reabilitação do Património e do Ambiente Construído, associando em equilíbrio o Homem, a Ecologia, a Natureza, e o Território. Como arquiteto, procurou olhar o espaço urbano e o espaço rural, numa afirmação plena de respeito pelas suas gentes, pela sua história, pelo património, pelas características dos lugares. Visionava o homem holístico, no centro das suas intervenções, na procura plena do seu equilíbrio intelectual e cultural, valorizando a paisagem e a simplicidade, no mundo que o rodeia.

A sua concepção de Património, em harmonia com a Ecologia, o Ordenamento do Território e a Sustentabilidade integra-se nas correntes de Arquitectura, em que a perspectiva minimalista, se relaciona com a visão holística e orgânica, que emana fortemente das escolas de Frank Lloyd Wright e Alvar Aalto. Procurou igualmente interligar, de forma simples, criteriosa e interativa, a realidade do mundo rural com o urbano, do campo com a cidade, do seu Alentejo, com o Norte, que tanto amou. Através do trabalho e da reflexão, procurou a visão do Arquiteto, centrada no homem e na sua integração equilibrada com a Natureza e o mundo que o rodeia